sábado, novembro 10, 2007

Como numa sinfonia de jazz

Um romance-teatro entre o vaporoso mundo das fotonovelas e a pura precisão literária da comédia dell’arte. Uma história com dois níveis − falado e pensado − sempre mágica e poética na manipulação da palavra; sincopada e nunca igual como numa sinfonia jazz. Uma Gonzaga que conta uma agenda comum de almas. Em redor, um corolário de condições humanas de fogo. Uma escritora capaz de pôr todos os sentimentos diários do mundo numa linha: “Meu único grande amor: casei-me”.
Benedetta Scatafassi, escritora e artista audiovisual
Enviar um comentário