quarta-feira, maio 28, 2008

O baptizado da Martinha

"Esta é a luz de Jesus. O corpo é só um começo. Mas o que eu sinto no meu coração, já não é um começo, o que eu sinto é muito forte e poderoso. Pois já estou no mundo de Deus!
Esta é a recordação do meu Baptizado e 1ª Comunhão. Obrigada por terem participado.
Marta , 22/05/8"
E assim várias pessoas de vários locais - Lisboa, Cascais, Vidigueira, Bari/Itália, - convergiram para a pequena Igreja em Gaia, e depois para o restaurante sobre o Douro, com jardins molhados da chuva miuda e teimosa. Alguns de nós ainda nem se conheciam pessoalmente. Outros não se viam há anos. Mas a reunião familiar, que juntou portugueses, noruegueses, um holandês e uma russa, foi um êxito. A Martinha, minha sobrinha neta, estava radiante. Aqui ficam o postal que desenhou, com o texto sublime que ela própria escreveu sobre o significado do seu baptismo.

domingo, maio 25, 2008

Água Diamante

Foi o último presente da Mozzaic. Numa garrafa de litro e meio de água do Luso, vazia, deitou uma pequena porção de água que trouxe do Reino Unido: "Agora acrescenta outra água, pode ser da torneira, até encher. Esperas duas horas e ficas com a tua própria água de diamante. É muito bom".
- Para quê? - perguntei. Nunca tinha ouvido falar de semelhante tal.
- Para tudo. Ah, tens de esperar duas horas até estar pronta. Guarda a garrafa, por exemplo no teu escritório, para não se confundir com outras. O ideal é fazeres isto numa garrafa de vidro. Podes por um letreiro com as tuas intenções.
-?
- Ooh, o que quiseres. A água é dinâmica e absorve a energia das intenções e potencializa-as.
- Aaahh.
- Outra coisa. Deves oferecer esta água às pessoas de quem gostas. É um catalizador da mudança de consciência global.
Depois acrescentou água à sua propria garrafa que estava a ficar vazia e deixou-me o link de um dos sites onde estas coisas da água estão explicadas.
Eu tenho estado a beber daquilo.
Mas entretanto lembrei-me da Coisa, o alienígena que partilhou o espaço da nossa casa na Travessa de Noronha. Crescia desmesuradamente, exalava um cheiro a ácido acéptico, e era alimentada a colherinhas de vinagre açucarado. Tinha filhos. Um dia falo disso.
http://www.pmt-portugal.com/Downloads/agua_diamante.pdf