sábado, junho 05, 2010

Andorinha


Não foi uma época feliz. Estava, uma vez mais, em trânsito. Num porto de abrigo. No Porto. A canção habitou esses longuíssimos dias, que agora, revendo o calendário, pouco mais foram do que uma Primavera e um Verão. Houve muito sol e bastante calor durante o exílio. Alguns ombros amigos. Pequenos, grandes reencontros.
E andorinhas.
O tempo assentou dores e poeiras, e esculpiu as memórias, escavando-as até ao recorte álgido de umas antiquíssimas paredes de granito, emolduradas por limoeiros e laranjeiras, com o Douro em frente.
Enviar um comentário