domingo, junho 20, 2010

Terra

Somos filhas da Mãe Antiga
Erguemo-nos do pó dos seus braços negros
e dançamos
Cobertas de flores e de frutos
Dançamos
Com os sonhos do mundo e a recordação
Das Eras e a estrelas de seis pontas
A brilhar
Na ponta de varinhas de condão

Filhas do escuro ventre
Com os nossos cães de prata e sinos
E lobos recortados no perfil dos montes
Acordamos a noite nas encruzilhadas
E dançamos
Com a Lua Nova
Filhas da Negra
Com as nossas éguas mansas
Atravessamos campos de lírios
E abrimos os braços
No regaço da Mãe
Enviar um comentário