quarta-feira, março 16, 2011

serões da lua negra

E se tudo que vemos, ouvimos, sentimos, cheiramos e tocamos não fosse senão uma ínfima parte da realidade, a ponta de um incandescente icbergue de onde, no precário equilíbrio de viver, espreitamos pelo buraco da fechadura do universo?
Enviar um comentário