quarta-feira, dezembro 23, 2015

LIBERDADE INCONDICIONAL

Apoiada pelo PAN
Manuela Gonzaga termina pré-candidatura à Presidência da República

  • Historiadora e escritora Manuela Gonzaga, apesar do empenho e da receptividade sentida em contacto de rua e nas corporações, instituições e associações visitadas, não concretiza a validação das 7500 assinaturas necessárias para a candidatura à Presidência da República.

  • Com uma pré-campanha subordinada ao lema “Liberdade Incondicional”, para Manuela Gonzaga “este foi apenas o início de uma caminhada que tem como objectivo despertar consciências e dar voz a quem não a tem. Há muito trabalho por fazer e mantenho a entrega ao PAN e às suas causas, quer como militante, quer como membro da comissão política nacional, assim como a todos os que se juntaram a nós neste projecto”.



O manifesto da sua candidatura sob o lema, "Liberdade incondicional", continua a dar voz ao conteúdo programático do PAN, que vai muito além do projeto “candidatura às eleições presidenciais”. A escritora considera que este foi um projeto vencedor pela oportunidade que teve de dar voz e de trazer ao debate público e político, temas e perspetivas que não são habitualmente discutidos.

“No final desta intensa e apaixonante corrida ao mais alto magistério da Nação, que aqui se encerra porque não foi possível reunir e validar todas as assinaturas necessárias, sinto uma enorme gratidão. Estou muito grata a todas as pessoas que, de forma espontânea se mobilizaram e que, de rua em rua, de porta em porta, recolheram as assinaturas”, refere Manuela Gonzaga.

A escritora acrescenta: “estou muito grata a quem me apoiou por acreditar na mensagem de que sou portadora, no Partido que represento, e, em última análise, em mim. E a todos os que, presencialmente ou à distância de um telefonema, andaram comigo pelo país real. Estivemos em locais tão díspares como a Cova da Moura e o Grémio Literário; os quartéis de muitas corporações de bombeiros, Soldados da Paz, anónimos heróis cujo lema é Vida por Vida; lares de terceira idade, centros de acolhimento de crianças com dificuldades múltiplas, associações culturais e abrigos para animais abandonados; em casas de desconhecidos e desconhecidas que nos receberam como se fossemos amigos de sempre partilhando as suas lutas no terreno pela tão ameaçada causa ambiental”.


A candidatura desta mulher, natural do Porto, que viveu em Angola e Moçambique, mãe de quatro filhos, assentou na necessidade de ser “uma voz de quem não tem voz”, e vai continuar a alertar para as imprescindíveis mudanças na sociedade portuguesa. Para Manuela Gonzaga o que está em causa são “os caminhos e os descaminhos do nosso destino colectivo”, sentindo com o coração que isso continua e continuará a ser também da sua responsabilidade.

Sofia Moreira
Assessora de Imprensa
Enviar um comentário