quinta-feira, outubro 20, 2016

Al Berto saudades...

Livros. Sempre de roda deles, e agora por motivos especiais, mais ainda. É nestas alturas que surgem os reencontros, as surpresas. A saudade! Caramba, podíamos ter tirado montes de fotografias juntos. Eu devia ter registado momentos, escrito um diário. Devia? Não havia tempo. Andávamos tão entretidos, todos nós, a viver intensamente a vida que nos cabia, e de que nos restam gloriosas memórias, naquele palácio Pidwell a que os meus filhos, tão pequenos nessa altura, chamavam simplesmente 'O Casarão'.

Al Berto, devolvo as saudades com que me dedicaste este que, provavelmente, é um dos teus primeiros livros publicados, com fotos do Paulo Nozolino. Mas agora, as minhas saudades são maiores do que as tuas. É que já não têm remédio. Até sempre, meu Poeta. 




Enviar um comentário