sexta-feira, maio 05, 2017

Escravos e ouro: o mito de Salazar

Estou a reler o meu livro Moçambique para a Mãe se lembrar como foi, para refrescar a memória e repescar notas de apoio. Fui convidada par um colóquio, cujo tema reservo. Infelizmente, na mesma data estou nas Raias Poéticas de Famalicão, como escritora convidada.  Como as duas investigadoras que me convidaram já não puderem alterar a data do evento, pediram-me uma contribuição por escrito que irá integrar as Actas ou o livro que daqui resultar. Dou-a com o maior prazer. A ignorância sobre esta época importantíssima da nossa história recente que aliás entronca na longa duração, é chocante. Ninguém imagina o que era, como era, porque era e como se passavam as coisas «lá». No tal Ultramar.

O que toda a gente sabe é posterior apoia-se em estereótipos e meias verdades. O racismo não «eclodiu» em África, onde supostamente éramos abanicados por pretos servis, que espancávamos com regularidade e que até nos metiam a comida nas bocas preguiçosas. O racismo começava aqui, no Terreiro do Paço, onde a tutela emanava leis que perpetuavam a ficção de um Portugal do Minho a Timor... mantendo bem apertadas as rédeas sobre a governação e a forma de a aplicar.

E porém, os portugueses não podiam ir para o ultramar sem autorização do governo, que a concedia com muita parcimónia... a menos que fossem enviados para lá como funcionários públicos, com contratos estabelecidos na metrópole; ou que recebessem uma carta de chamada, de um parente devidamente credenciado, a atestar por sua honra que necessitava dos bons serviços daquele familiar. Os militares, passando à reserva, podiam sem muitas delongas pedir para voltar ou ficar em África. Sendo, por outro lado, e durante séculos, uma colónia penal, os prisioneiros de delitos de sangue ou crimes políticos, acabando de cumprir a pena podiam ficar na terra, e muitos ficavam. Estou a referir especificamente o caso moçambicano, mas em Angola não era muito diferente. Em todo o caso, não estudei a fundo esses aspectos aí.

Acrescente-se que falamos de um Portugal onde a moeda não era a mesma e não podia circular fora das suas fronteiras. Dito de outra forma: mandar escudos dos territórios ultramarinos para a metrópole? Só com motivos bem justificados. Questões de saúde, educação dos filhos universitários, coisas assim. Até porque o escudo local não tinha valor fora do seu território, a não ser nos países de proximidade como a África do Sul de onde vinha o ouro em barras que pagava ao governo português o trabalho semiescravo dos moçambicanos nas minas do Transvaal. Sim, pessoal. O esclavagismo começava na sede do Império. O mesmo Império que permitia uma grande liberdade às grandes companhias, essas sim com muita margem de manobra... inclusivamente  para explorar brutalmente os seus trabalhadores africanos, começando por lhes tirar as terras, ou por os obrigar a cultivar algo que não lhes dava lucro, nem lhes permitia a pequena agricultura de sobrevivência. Sem falar no papel equívoco da Igreja, quase sempre do lado dos que mandam.

Ouro, sim: vinha em lingotes, directamente da África do Sul para Lisboa, para o Banco de Portugal. A ficção de um Salazar excelente economista que deixou os cofres a abarrotar de ouro, cai por terra quando se sabe de onde veio esse maná e a que preço... Deste modo, a Metrópole sossegava à sombra das muitas bananeiras africanas para onde exportava os seus produtos, sem qualquer concorrência. A tal ponto que, por exemplo, plantar uma vinha em África dava direito a processo crime. Com multa e eventualmente prisão. Vinho, só podia haver um. O deste país pequenino, cuja indústria obsoleta vivia das matérias-primas do Ultramar, que não podiam exportá-las, nem, tão pouco, transformá-las. A Guerra Colonial, ao fim de uns anos, veio alterar este estado de coisas. Mas já não foi a tempo.

Não são apenas as minhas memórias a falar. São os trabalhos académicos que já existem e já são suficientes para desmistificar estas e outras ficções. A começar pelo mito injusto e imbecil que faz dos brancos que viveram em África uma cambada de exploradores de pretos, e dos brancos que ficaram na metrópole umas vítimas imaculadas da ganância dos primeiros. É que todos comeram da mesma «gamela» e bons e maus não têm denominação de origem. Há-os, houve-os em todo o lado. Acima de tudo, África foi a grande teta do regime e todos mamaram desse leite, directa ou indirectamente. População metropolitana incluída e à cabeça, porque a moeda forte do regime devem-no ao Ultramar. Isso e a manutenção de uma indústria no geral aterosclerótica. Para que mudar as coisas, se o mercado importador, Angola e Moçambique à cabeça, estava garantido?

Claro que as pessoas cá tinham era uma vida muito mais chata, com muito menos horizontes. Foi por isso que a proverbial inveja lusitana se fez ouvir mais alto nos primeiros tempos da breve e tão longa hora do Regresso. Depois, o melhor de nós todos veio ao de cima.

Não nos esqueçamos também que por cá vigorava a exploração dos pretos da Europa, como eram chamados os portugueses que, pela lei da fome fugiam do país a salto e iam «construir as cidades dos outros». Mas se tiveram de fugir para ganhar a vida e matar a fome, e eram presos se fossem apanhados na sua miserável e tristíssima fuga, já o dinheiro que enviavam para a pátria era muito bem acolhido, pois tratavam-se de divisas que representavam um autêntico maná para a economia nacional. Lembro-me como eram saudados quando voltavam. Com risos de troça (os carros que traziam, que horror! E as roupas... e as casas que começaram a construir, ahahahah). Ou com um profundo desprezo, se viessem de mãos a abanar.

Eu tinha 12 anos quando saí de Portugal e uma memória afiadíssima. Foi aqui, no rincão natal, que assisti às primeiras exploração da pessoa pela pessoa. E foi cá que presenciei o racismo, não de cor de pele, mas de estatuto social. Recordo, por exemplo, as linhas de fronteira bem demarcadas, a primeira das quais e a mais vincada começava por separar o campo da cidade. E está tudo dito, quando 80 por cento da população era, então, rural... Alguém se lembra deles? Digo, dos emigrantes a que a Europa chique chamava os «pretos» do velho continente?  Alguém lhes fez alguma vez a homenagem que merecem?

Falemos então dos outros. Dos «esclavagistas». Como fizeram questão, na longa e breve hora do Regresso, de nós chamar a todos nós. Mas ao menos, fale-se com conhecimento de causa. A começar pelo estatuto que os pretos auferiam. Afinal, eram meros indígenas, sem nacionalidade portuguesa. E isso também era regulamentado e ferreamente  no Terreiro do Paço, assim como os obstáculos ao seu acesso à educação. E  há tanto mais para dizer, mas guardo para a minha participação. De resto, está tudo no meu livro. Deixo o saboroso relato da nossa chegada à África profunda:

A minha mãe, Maria Leonor Vieira Paixão, pianista, professora de música e canto-coral, em 1963 quando fomos para África

O Império, onde viajámos de Lisboa a Nacala



O escudo não era o mesmo


DE NACALA AO CATUR
Dali [Ilha de Moçambique] seguimos para Nacala, onde chegámos a 28 de setembro, entrando na imensa baía de Fernão Veloso e aportando no cais, desolador para quem tinha contemplado os portos fervilhantes de movimento e gente como os de Luanda, Cidade do Cabo, Lourenço Marques e Beira. Na verdade, era agora que ia começar a nossa viagem africana. Para trás, o conforto e o luxo do Império, onde tantas demonstrações de carinho nos tinham sido prodigalizadas. O comandante Vasconcellos fez-nos acompanhar por elementos da tripulação até ao comboio que saía ali do porto, e que nos levaria de Nacala ao Catur. Antes, tinha dado ordens para que das cozinhas nos providenciassem um maravilhoso farnel, que vinha acomodado em dois cestos de verga, com guardanapos, pratos, copos, talheres e tudo, mau grado os protestos da nossa mãe que lhe assegurava não ser preciso, já que, quando tivéssemos fome, íamos ao «wagon-restaurante».
— Senhora dona Maria Leonor: estamos em África. Acredite que isto vai ser muito útil, a si e aos seus filhos.
O dia estava quentíssimo quando entrámos no comboio do Catur, ocupando uma duvidosa «primeira classe» composta por umas poucas carruagens velhas. O revisor, uma pessoa maravilhosa, pois preocupou-se com o nosso bem-estar ao longo de toda aquela longuíssima viagem, veio acomodar-nos no pequeno gabinete de bancos estofados em couro gasto, aqui e além queimado de pontas de cigarro, prometendo vir amiúde saber se estava tudo bem com o grupinho extravagante que nós éramos. Uma senhora no seu saia-casaco de linho cru, blusa de seda creme às pintinhas pretas com laço, e quatro crianças muito bem vestidas, mas cuja roupa em breve ficaria amarfanhada e, sobretudo, muito suja das fagulhas que a locomotiva vomitava incessantemente.
— Senhor revisor, a que horas servem as refeições?
— Quais refeições, minha senhora?
Não havia, como o nosso comandante estava fartíssimo de saber, nenhuma carruagem restaurante, e muito menos algo que remotamente se pudesse chamar «bar». Cada um amanhava-se com o que trazia. Abençoadamente, os cestos revelaram frutas de várias espécies, muito bem-acondicionada e em quantidade. Garrafas de água e de sumos. Empadas, sanduíches, queijos fatiados, pães acabados de sair dos fornos das cozinhas do Império, frangos assados e trinchados, bolos, bolachas, e sei lá mais o quê. Sem este abundante farnel, teríamos passado muita fome e muita sede, embora o prazo de validade da maior parte dos alimentos fosse curto, pois a estação quente começara, embora as chuvas só viessem a partir de outubro.
E assim seguimos de Nacala para o Catur, num comboio de filmes de cobóis[1], puxado por uma asmática locomotiva a vapor, que subia as serras a passo de caracol sobre uma linha férrea tão estreita que parecia feita de carris de elétricos. Por vezes, num troço mais íngreme, os passageiros tinham de sair para a locomotiva conseguir arrastar as composições atrás de si. Como íamos em primeira classe, nunca tal nos solicitaram, mas, sempre que o comboio parava, a nossa cabine enchia-se de africanos. Não nos faziam mal, mas era assustador. Entravam por ali dentro a rir, falando entre si enquanto apontavam para nós, criaturas tão bizarras, e chegavam a mexer-nos nos cabelos. Outros, da plataforma das estações, debruçavam-se para dentro das janelas, nos mesmos propósitos, motivo pelo qual passámos a viajar de janela fechada, apesar do calor intenso que fez durante o resto do dia, e se prolongou pela noite dentro.
Foi então que o revisor veio pedir à mãe autorização para nos trancar pelo lado de fora (por dentro não era possível), para que não continuássemos a ser incomodados. Querido senhor que, amiúde, vinha confirmar se estávamos bem, ou se precisávamos de ir à casa de banho, uma espelunca onde todo o cuidado era pouco para não tocar em quase nada.
Por fim, chegámos à bela cidade de Nampula, profusamente ajardinada, capital do distrito do mesmo nome, onde nos instalámos num hotel. Que prazer, aquele duche interminável, a roupa lavada, o jantar numa sala a sério, com mesas, toalhas e comida acabada de fazer, as camas tão limpas, as ventoinhas no teto, onde pudemos enfim dormir sem sobressaltos. No dia seguinte, voltámos para o comboio que nos levou de Nampula, passando por Ribaué, Malema, Nova Freixo (atualmente Cuamba) até ao Catur, hoje Itepela. Ali nos aguardava a camioneta indescritível onde iríamos fazer o último troço da nossa viagem até Vila Cabral. Foram oito horas, salvo erro, aos saltos e aos solavancos por uma picada de terra vermelha, fissurada pelo calor, rasgada no dorso dos montes de uma serra que se contorcia e não parava de subir.
Oito horas intermináveis.
 [...] 





[1] Encontrei descrições deste comboio e desta viagem em Eduardo Maria Nunes, Batalhão de Caçadores, http://batalhaodecacadores598.blogspot.pt/2010/03/navio-patria-de-lisboa-nacala.html. Outra boa descrição em «O Comboio do Catur», CCAV Companhia de Cavalaria 2415 — Moçambique 1968/1970, http://ccav2415.blogspot.pt/2009/09/o-comboio-do-catur.html (consultado a 9/05/2013).

sábado, abril 29, 2017

O Mundo de André nas escolas

Às vezes, as perguntas que me fazem são pura poesia: «A que cheiram os dias da sua infância?» ou «Como imagina as asas do tempo?». Estas, para minha grande alegria, até estavam impressas, e no final ofereceram-mas. O encontro decorreu na biblioteca da Escola EB 2/3 Professor Gonçalo Sampaio, Póvoa do Lanhoso, e deu para perceber o envolvimento entre professores e alunos na preparação destes nossos encontros. E as leituras que fizeram em torno das aventuras do nosso «André». Até havia um grande desenho a recriar o imaginário de «André e a Esfera Mágica». Mas não ficámos por aí. O calendário das visitas às Escolas tem sido muito bem preenchido. Nunca sabemos o que nos espera, mas de cada vez há uma conquista. E isso vale tanto. E isso vale tudo. 

sábado, abril 01, 2017

Literatura e Liberdade

Escritora, com uma colecção infanto-juvenil que lhes é dedicada, comecei a visitar escolas para falar dos meus livros. As visitas são organizadas pelos professores de Português, ou, eventualmente, pelos professores responsáveis pelas bibliotecas escolares. Ao longo desta última semana, tive o privilégio de falar para várias turmas (5º e 6º anos), em Viseu, Agrupamentos de Escolas de Viseu Norte; em Rio Maior, Colégio São Cristóvão; e nas Escolas Básicas Marinhas do Sal. 





A conversa incide, em grande medida, sobre livros que já publiquei. Sobretudo os desta colecção que lhes é dedicada. Mas também sobre os outros, que já são muitos e têm públicos mais «crescidos».  Mas, e muitas vezes, diante destes jovens só me apetece pedir-lhes desculpa pelo mundo que lhes vamos deixar por herança... um mundo semidestruído nos alicerces que suportam a vida humana neste planeta. Ao mesmo tempo, complemento este pedido de desculpa com uma declaração de fé, inabalável, que tenho no melhor que eles. são. E na confiança que tenho na capacidade deles, na sua força, para mudarem e moldarem o futuro que lhes inquinámos, graças ao poder incomensurável da sua imaginação criadora. 


É por isso que junto a minha voz à de todos quantos se esforçam para lhes despertar o gosto pela leitura e os incentivo a pensar na Liberdade. A verdadeira liberdade, que começa no pensamento. Falo-lhes dos livros que escrevo, porque há, em cada uma das aventuras do André - desde A Esfera Mágica ao Baile de Máscaras - uma, várias lições de vida, como muito curiosamente um dos jovens mais atento me assinalou. 
Mas o que lhes desejo e peço, acima de tudo, é que leiam. Não está só na mão deles. Está na mão dos pais e dos professores. Sobretudo, dos professores de Português. Não é uma questão de dinheiro - as bibliotecas escolares deixam levar os livros para casa. É uma questão de dar estímulo certo, no lugar certo. É um apelo à excelência - dos professores e da própria família. Quanta responsabilidade... a de todos nós. 

Sim De todos nós. 

Em Agrupamento Escolas Viseu Norte, Colégio Frei Cristovão, em Rio Maior, com um auditório à cunha e em Escolas Básicas Marinhas do Sal, várias sessões organizadas pelo director da biblioteca, e que foram altamente concorridas). Com Rita Palma









quarta-feira, março 29, 2017

'O Mundo de André' vai às Escolas


Um dia em cheio, com as bibliotecas das Escola Azeredo Perdigão e D. Duarte, (Agrupamentos Escolas Viseu Norte), completamente cheias!! De leitores e futuros leitores. Bom trabalho, o daquelas professoras e bibliotecárias. 



quarta-feira, março 22, 2017

André e a Esfera Mágica - uma opinião

A partir do final deste Março, e ao longo dos próximo três meses, tenho uma agenda bem carregada de visitas às Escolas (secundário) em todo o país, sobretudo Norte e Centro, para falar da colecção juvenil que criei e a Bertrand relançou, juntamente com um inédito. E de muito mais coisas! Nunca sei o que vai acontecer e como vai decorrer! Que saudades de dialogar com o público mais jovem.

Entretanto e pela blogosfera, estas aventuras estão a despertar muito interesse. Mais uma opinião, agora no blogue Livros de Vidro:


«Temos a dizer que os jovens ao lê-lo terão de o fazer de uma forma concentrada. Não é, apesar de tudo, um livro com uma linguagem fácil. Ou seja, embora tenha uma estrutura simples e adequada, pensamos nós, o facto é que são empregues palavras "difíceis". Se consideramos isso mau? Não. Pelo contrário.
Somos da opinião que isso obriga a que os mais novos vão tentar "descobrir" o significado das mesmas e que também, dessa forma, possam enriquecer o seu léxico e desenvolver-se.
Parece-nos uma forma mais divertida de aprender e criar estruturas mentais no que à língua portuguesa diz respeito. [...] 

Para ler tudo:

Opinião: "André e a esfera mágica" de Manuela Gonzaga

As portas falam

As portas falam e eu escuto, as portas contam-me histórias e eu guardo as suas palavras, as portas dizem-me 'não há chaves' e eu quedo-me a olhar para elas e pergunto-lhes: então, como te abro? Uma a uma, todas me respondem: por dentro. 

terça-feira, março 14, 2017

Entretanto, amo

Os meus ideais de bem, de bom e de belo estão sujeitos aos parâmetros do meu eu. Estão limitados pelo tempo, pelo modo ou costume e pelo espaço em que me desloco. São circunstanciais. O meu ideal de Amor não tem fronteiras e nele se integram tudo e todos os seres, num tempo para lá do tempo. Nessa radiância esplendorosa dissolve-se aquilo que considero eu. O meu ideal de Amor é, assim, uma infinita, inacessível e nostálgica miragem. Entretanto, amo. Com todas as falhas e todas as intermitências do meu transitório existir.


Cromeleque do Xerez, nascer do sol

domingo, março 12, 2017

A curadora do Limbo

De uma leitora, adulta, recebi um email que, com sua autorização partilho. O seu relato não tem qualquer relação com a aventura a que se refere, mas foi a leitura de André e a Esfera Mágica, e a passagem para a outra margem do sonho que ali acontece, que despertou esta memória em toda a sua nitidez. MG



«Ao acabar de ler o André e a Esfera mágica, lembrei-me dum sonho meu, bem real e vivido intensamente, já lá vão uns anos. Ele foi tão marcante e importante que ainda hoje o recordo na íntegra. Foi a minha afirmação/confirmação de que sim, eu queria mesmo ser terapeuta/curadora.
As imagens, as cores, o local, o aspeto dos intervenientes estão bem presentes. Foi e ainda é tudo tão nítido…

A Curadora do Limbo

Encontro-me à entrada de uma casa branca. Muito branca e enorme. Atrás de mim, uma porta de vidro que tenho de passar, antes porém, tenho de perceber o que estou ali a fazer e o que me terá ali levado…Para além desta porta de vidro, normal, há uma outra, a uns metros de distância desta mas bastante diferente. Da altura da casa e da mesma largura que a altura, faz lembrar um portalhão como os que existem nos quartéis de bombeiros, que abrem e fecham para guardar os carros tanques.
Não se vê vivalma…

Esta casa está isolada. À sua volta, apenas terra. Terra morta, escura, sem vida. Não há uma única planta, animal, água. Apenas terra argilosa, seca. É imensa a sua extensão. E eu olho sem entender o que estou ali a fazer. Às tantas, bem lá ao longe, algo se desloca, devagar, na minha direção. Percebo que no meio daquele deserto há um sinuoso e ligeiro caminho que evolui pela frente da casa e continua. Aquele vulto vai-se aproximando e percebo que é um homem, também ele escuro, pouco se diferençando da cor da terra argilosa. Traz consigo a lancheira e, preso a si com correntes fortes, carrega um enorme tronco de árvore. Aqui e ali, cai nos buracos cavados na terra, (parecendo que antes por ali tinha passado um todo-o-terreno) e, com um enorme esforço, lá se levanta, rastejando. Fico a observar, sem intervir nesta caminhada que é só dele. Reparo, ainda, que este homem mantém os olhos fechados. Porque será?

Passa à minha frente e continua. Não me vê, não vê a casa e segue…

Mais atrás, vem outro homem nas mesmas condições. Com o tronco acorrentado a si. O peso destes troncos é muitíssimo superior ao peso destes Seres. O que representará? O que estou eu al  a fazer? Este segundo homem, também de olhos fechados, cansado, caminha para dentro da casa entrando pelo portalhão. Percebo o porquê das suas dimensões. Os troncos que estes homens têm de manter de pé, para os poderem arrastar, são da altura daquela porta. Continuo ali, durante bastante tempo. Homens (nunca vi mulheres), continuam a passar. Uns, entram na casa, outros seguem a sua caminhada como que se a sua pena não tivesse chegado ao fim.

Dos que entram na casa, nenhum sai. Eu continuo ali, apenas olhando e, aos poucos, percebo o que estou a testemunhar. Estou numa realidade paralela. No Limbo. Ali, onde as Almas dos pecadores, dizem, se encontram em penitência pelos males que fizeram em vida. Não podem ascender porque os “pecados” foram muitos e por isso têm de penar. Os troncos, as correntes, mantêm-nos ligados ao sofrimento. Uma forma de remissão. Mesmo sabendo que a casa está ali para os ajudar a libertar e ascender, de olhos fechados, recusavam-se a vê-la. Pobres Seres. Que sofrimento…

Entro na casa. Agora estou ciente do que se passa e qual a razão da sua existência. Subo um lance de escadas e, ao meu encontro, descem duas mulheres. Uma está apenas, mas a outra, de bata branca, estetoscópio ao pescoço, fala-me: “estou à tua espera há imenso tempo. Anda daí. Preciso de ti…”

E eu vou. Muito feliz por saber o que estou ali a fazer. Ajudar estes Seres a ascenderem, livres de culpas, sem dor, sem sofrimento, é a missão maior dum terapeuta. Quando escolhi ser uma curadora, não imaginava a grandeza desta missão. Por isto, sou feliz e estou muito grata!!!!


Helena Jorge
Alfornelos, 7/3/2017

terça-feira, março 07, 2017

Os livros do «Mundo de André» foram muito «Bem vindos»

Fui a África e voltei. Soube-me muito bem. Soube-me a pouco. Foi durante uma conversa com a encantadora jornalista Cláudia Leal, que apresenta o programa Bem-Vindos cujo mote começou por ser 'O Mundo de André' e os livros recém lançados. André e a Esfera Mágica e André e o Baile de Máscaras.

Portanto, falámos de sonhos, de crianças de todas as idades, de universos paralelos ou múltiplas dimensões. Falámos do maravilhoso embondeiro, essa árvore mãe que abriga o sono eterno dos poetas e contadores de histórias africanos, os Griots, e do seu fruto, o malambe, que tem um papel decisivo na última aventura do André. A conversa, mesmo assim longa, que passou a correr, levou-nos até Moçambique e Angola. Depois, voltámos ao Porto minha cidade berço, e a Sines, meu porto de abrigo em anos que já lá vão. E ainda falámos do Alentejo. De animais. De causas. De amores. Do amor.

E de histórias, muitas histórias, escritas e por escrever. Foi muito, muito bom.

Clicando na imagem, segue-se para a entrevista.

sábado, março 04, 2017

A opinião dupla de Sofia Teixeira - Bran Morrighan

A opinião da critica literária Sofia Teixeira sobre os dois livros de 'O Mundo de André' no seu espaço referencial BRAN MORRIGHAN

OPINIÃO DUPLA: ANDRÉ E A ESFERA MÁGICA E ANDRÉ E O BAILE DE MÁSCARAS, DE MANUELA GONZAGA



OPINIÃO: Descobrir a escrita da Manuela Gonzaga foi uma das maiores dádivas que 2014 me trouxe. Comecei pelo género com que raramente se começa - a Não Ficção - e talvez por isso o meu respeito e admiração tenham crescido ainda mais desmesuradamente. O livro com o qual comecei foi o Moçambique - Para a Mãe Lembrar Como Foi e é autobiográfico. Uma delícia de se ler. Em 2015 a querida Manuela editava Xerazade - A Última Noite, um do melhores livros editados nesse ano, na minha humilde opinião, e também um dos mais subvalorizados de sempre. Não há como dizer isto de outra maneira, mas o público literário português parece andar perdido no seu gosto. Sem ofensa. Este último não tem nada de autobiográfico, é antes um romance que repesca esta maravilhosa personagem da literatura intemporal, Xerazade. E Manuela reinventa-a e transforma-a em algo deliciosamente contemporâneo, sem que com isso se perca pitada de magia. 

Como já devem ter percebido, em dois géneros literários completamente diferentes, Manuela Gonzaga conseguiu aqui uma proeza que poucos escritores conseguem, pelo menos comigo, que é manter uma absoluta e total concentração na sua escrita. Há sempre mais do que aquilo que o olho vê, e os universos que esta nossa escritora cria não são excepção. Quando o ano passado me perguntou se eu gostaria de conhecer e vir a apresentar as aventuras do Mundo de André, confesso que fiquei surpreendida. Ora, se começamos a ler uma autora pela Não Ficção, depois por um Romance absolutamente extraordinário, mas sem dúvida alguma adulto, não será assim tão estranho questionar como é que o registo se encaixaria numa narrativa infanto-juvenil. Mais uma vez, irrepreensível. 

Quando no Sábado passado, dia 25 de Fevereiro, apresentei estes dois livros que podem ver na imagem, o primeiro uma reedição e o segundo (que na verdade é o quarto da série) um lançamento, e olhei para os presentes, já tantos conhecidos de vista da apresentação de Xerazade, tive a certeza que todos partilhavam da mesma opinião que eu: Manuela Gonzaga é um ser humano extraordinário e a sua escrita bebe inteiramente disso, independentemente do género literário. No Mundo de André, essa essência é ainda mais notável e notória, pois de uma forma simples, sem ser infantil, Manuela consegue dar abanões, alertar para estados de alma e de falsos crescimentos, juntando sempre um toque de magia, de ciência, de história ou até da história da sua própria família. André existe na vida real, agora já com um filhote também, tal como Marta, a sua irmã mais nova. 

André e a Esfera Mágica marca o início de uma série de aventuras em que André terá de se colocar à prova e àquilo em que acredita. Tudo começa com a chegada do circo e com a sua primeira paixão. Depois é obrigado a mudar-se para a cidade, mas consigo transporta uma esfera, oferecida pela pequena rapariga do circo pela qual se apaixonou. Essa esfera irá transformar-se no portal que o fará viver coisas imprevisíveis, mas absolutamente fascinantes. Em André e o Baile de Máscaras, conhecemos novas personagens, mas o que me marcou mais foi a forma sublime como a temática, de que enquanto crescemos vamos construindo máscaras para ocultar os nossos verdadeiros pensamentos e sentimentos, foi construída. Está super acessível e perceptível e faz-nos querer recuperar a criança interior que tanto abafamos. Honestamente é uma série que recomendo sem pejo algum. Boas leituras e divirtam-se! 
    

sexta-feira, março 03, 2017

Mentiras e máscaras e bailes de monstros

Mentiras e máscaras. Bailes de monstros. Festas tristes e festas alegres. Festas com encontros aterradores... fugas com ajudas surpreendentes, de onde e de quem menos se espera. Perigos atrás das portas. Uma Biblioteca sem fim à vista. Um Palazzo. Um Banco de Sementes sem fim. Uma alucinante viagem. Reencontros. O malambe, a semente do embondeiro, a mais misteriosa árvore que existe, resolve o mistério e faz surgir uma mulher negra, aterradora e belíssima cujo poder alcança os três reinos por onde decorre a aventura.  É ela que detém o poder de resolver o enigma. 
E mais, muito mais. É disso que trata o meu próximo livro. 


Embondeiro 

A vida real é uma fonte inextinguível de inspiração. Outra fonte de inspiração: como fazer das adversidades aliadas, das alegrias faróis, e depois pegar em tudo, embrulhar, baralhar e dar de novo. Para crianças e jovens de TODAS AS IDADES!! É o Mundo de André a girar. 



Esta coleçção, com todos os títulos de minha autoria, tem a chancela LER + Plano Nacional de LeituraOs livros estão actualmente na Bertrand Editora. 
O último, André e o Baile de Máscaras, é uma estreia e acabou de ser lançado no mercado. 
O primeiro, André e a Esfera Mágica, foi relançado. 
Ambos com capas do pintor Gonçalo Jordão, que vai ilustrar também as dos próximos (inéditos) e dos anteriores a serem igualmente, reeditados. 

terça-feira, fevereiro 28, 2017

O mundo de André

A apresentação - na FNAC. O lançamento, no próximo sábado em Reguengos de Monsaraz. As imagens da festa. A primeira de muitas.

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Carta de amor a quem nos quer mal

E muito feliz dia de São Valentim - que aconteça todos os dias o dia especial de amar.



Queridos inimigos, eu quero amar-vos. Preciso de vos amar mesmo que a maior parte das vezes tal me pareça insensato e impossível. É que vos devo uma parte muito importante da aprendizagem nesta vida. As dores que me causais, ou causásteis, acordaram-me, puseram-me em marcha e levaram-me sempre ao mais assustador dos encontros. Comigo mesma. Com a minha sombra. Com o meu medo. Com a minha insegurança. Com a minha raiva. Sem vós, jamais teria empreendido semelhante viagem. E sempre que ultrapasso algum dos obstáculos que colocais diante de mim, sempre que arranco a mordaça e o véu com que me cobris, sempre que quebro as grilhetas com que me tentastéis aprisionar, em pequenas vitórias que até então julgava «impossíveis» e «intransponíveis», depois do alívio, depois da surpresa e do sobressalto da revolta, depois do descanso e antes de me pôr outra vez a caminho, aprendi que é a vós que devo o preito da minha silenciosa gratidão. Sois, muitas vezes, quase desconhecidos e desconhecidas. Ausentes e enevoados. Eventualmente próximos. Mas não preciso de vos ver o rosto nem necessito de saber o vosso nome. Preciso é de vos amar cada vez mais à medida que me aceito e amo cada vez melhor. É a minha liberdade, essa que se conquista palmo a palmo, passo a passo, que vos devo e assim sendo é como mestres que vos quero reverenciar, reverenciando a minha, a vossa e a nossa história de vida. Prouvera a Deus que tal consiga.

sexta-feira, janeiro 27, 2017

Novo livro - André e o Baile de Máscaras

Para muito breve, em Fevereiro de 2017, a saída de dois novo títulos meus, com chancela da Bertrand Editora:

André e a Esfera Mágica


Quando o circo visita a aldeia, André apaixona-se pela filha do mágico, uma menina enigmática, que lhe oferece um berlinde límpido como uma lágrima. Pouco depois, a família muda-se para Lisboa. André detesta a nova vida. Num dia particularmente infeliz, pega no berlinde e descobre-se num mundo desconhecido onde conhece Grionesa, o Senhor Leandro, com a sua mala mágica, a porta Portália… até que surge uma ameaça terrível… Só André e Grionesa podem salvar aquele mundo, mas o risco é imenso.

André e o Baile de Máscaras



Na escola, André faz uma nova amiga: a enigmática Formiga. Uma noite, ele recupera a Esfera Mágica e, mais uma vez, encontra-se num mundo desconhecido onde todos usam máscaras… animais misteriosos, pássaros gigantes, seres das grandes profundidades. No decorrer de um grande baile, Formiga aparece e salva-o. Mas ela tem uma missão secreta: com a ajuda de André, aceder à imensa Biblioteca, para encontrar a resposta que lhe pode mudar a vida.


As lindíssimas capas são do meu querido Gonçalo Jordão que é, para já, o único português com um Óscar de Hollywood! O pintor integrou a equipa do filme O Grande Hotel Budapeste, que em 2015 arrecadou 4 dourados galardoes, nomeadamente na categoria de Melhor Direcção de Arte. O magnifico loby daquele hotel, tem a sua assinatura. Mas sabem como nos conhecemos e ficámos amigos? Através dos nossos respectivos cães. 



Durante meses, no verão mágico alentejano, encontrávamo-nos junto ao Alqueva, a petiscar no Centro Náutico. Os apelidos nunca vieram à baila. Era a Raquel, o Gonçalo, o Dirk, a Manuela, e os nossos patudos que iam ao banho juntos. Um dia calhou falarmos do que fazíamos. Abreviando, o convite para o pintor mergulhar no mundo mágico do André foi tão espontâneo (bom, foi o nosso editor Eduardo Boavida que fez a ponte...) e a sua reacção foi tão boa, que só podia dar certo. As capas provam-no, traduzindo maravilhosamente toda a magia destes romances por onde entro em turbilhão criativo. Literalmente. 

Já houve quem me dissesse «se não te conhecesse, a ler este livro (André e o Baile de Máscaras) ia pensar que andavas a tomar cogumelos». São o efeitos colaterais da escrita - provocam estados alternativos de consciência :) Já tinha ,muitas saudades.

sexta-feira, janeiro 13, 2017

António Variações - cabeleireiro? não! barbeiro

Cabeleireiro? Não! Barbeiro. Era assim que ele queria ser chamado. O tão nosso António Variações. 
Ando com ele «ao colo», agora, pelos anos 70 e 80. De uma entrevista que lhe fiz, por essa altura, e que retomei na biografia, destaco: 


«É pro menino e pra menina», António na sua barbearia 



«Eu inaugurei o salão Imaviz, o [Baeta em] Alvalade, até que decidi afastar-me daquela escravatura e regressar às origens. Regressar à barbearia. Hoje, até os barbeiros querem ser chamados cabeleireiros. Pois eu não. Estou na barbearia que, para além de ser o meu meio de subsistência, um espaço que eu gosto, é onde vivo rodeado de amigos, os meus clientes de há anos. A vida é uma roda, a gente acaba por voltar ao ponto de partida. Eu dei a volta completa e a única saída, quando se ultrapassa tudo, é começar de novo. 

«Há quem diga, maldosamente, «aí está um tipo que lançou um disco para arranjar clientes lá para o salão». Acontece que eu tinha e tenho clientes mais do que suficientes para manter a barbearia a funcionar com lucro, e viver bem. Acontece que até nem tenho tempo para as pessoas novas que têm aparecido, só por curiosidade, para ver que tal é esse cabeleireiro que também canta. Além disso o tempo cada vez vai ser menos, porque, de facto, a música é a minha meta. A minha vocação. Espero ainda ser tão bem-sucedido na música como fui nos cabelos.» (Gonzaga, 1982:42-3).

quarta-feira, janeiro 04, 2017

Literatura, activismo e passagem de ano

Não foi a passagem de ano mais glamorosa das nossa vidas, mas será inesquecível. Cenário: uma casa minúscula, num monte lindíssimo, nosso lar nos últimos meses, enquanto a 'nossa' continua em obras de fundo. Em Fevereiro devemos mudar. 

Festa de Passagem de ano? Adiada. Quase sem darmos por isso, descobrimo-nos a tutelar uma «matilha» de cães desafortunados, esfaimados, abandonados, que nos entraram pela vida dentro. Dois, há anos, o Timóteo e a Maia. Os restantes, juntaram-se à família ao longo de 2016, aqui no Alentejo. 

O último membro é a Nina. Resgatámo-la de uma Casa dos Horrores, convocámos policia GNR (três viaturas com as luzes a piscarem e um bom aparato), veterinário municipal, tudo. Para trás, três cachorros mortos, de fome. Fechados dentro de uma jaula. O próprio vet municipal disse que, em 25 anos de actividade, nunca vira nada assim... 

Trouxémos ao colo e para nossa casa, uma rafeira alentejana com cerca de três anos de idade e 20 quilos de peso. Metade do que seria adequado e normal ao seu porte, raça, idade. Mais um dia, e não teria sobrevivido. Em menos de quatro dias, porém, a Nina nem parece a mesma. Já foi à primeira consulta e tudo está a evoluir bem com ela. Precisa é de aumentar de peso para poder ser vacinada. Dentro de duas semanas, esperamos. 

Agora, já brinca com os jnuvenis da matilha, Maria Pintor, Angélica e Mascarilha, dorme na sala sempre aquecida, come várias vezes por dia, pequenas porções, abana a cauda com frequência. Estava amarrada com uma corrente com cerca de um metro, agora tem espaço no campo à vontade e anda a descobri-lo, cheiro por cheiro. Textura por textura.

Portanto, a nossa passagem de ano foi com ela e a restante matilha, e um amigo humano que, entretanto, apareceu. 

A outra «festa», na casa velha que está a ficar 'nova', fica para breve. Afinal, o ano é novo todos os dias.

E, alegria das alegrias! o meu próximo romance juvenil está em fase de paginação e a capa vem a caminho. Tenho-me dividido entre estas tarefas e a escrita. Não tem sido fácil, mas tenho conseguido dar boa conta do recado em ambos os campos de actividade.


Nina, 3 anos, 20 quilos, três dias depois do resgate da Casa dos Horrores

A 'matilha' foi crescendo - e eu a acabar o meu próximo  livro juvenil neste cenário

Em breve, e com mais espaço, saudaremos 2017 com as quotas de humanos preenchidas
O resgate do Verão

Este foi atirado pela janela de um carro em andamento, apareceu-nos no jardim e nunca mais nos largou

Vivia num castelo - mas não tinha lar. Chegou-nos á quinta com as almofadas das patinhas descoladas... como podíamos mandà-lo embora?'

uma casa mesmo muito velha, a ficar nova sem deixar de ser velha