terça-feira, fevereiro 14, 2017

Carta de amor a quem nos quer mal

E muito feliz dia de São Valentim - que aconteça todos os dias o dia especial de amar.



Queridos inimigos, eu quero amar-vos. Preciso de vos amar mesmo que a maior parte das vezes tal me pareça insensato e impossível. É que vos devo uma parte muito importante da aprendizagem nesta vida. As dores que me causais, ou causásteis, acordaram-me, puseram-me em marcha e levaram-me sempre ao mais assustador dos encontros. Comigo mesma. Com a minha sombra. Com o meu medo. Com a minha insegurança. Com a minha raiva. Sem vós, jamais teria empreendido semelhante viagem. E sempre que ultrapasso algum dos obstáculos que colocais diante de mim, sempre que arranco a mordaça e o véu com que me cobris, sempre que quebro as grilhetas com que me tentastéis aprisionar, em pequenas vitórias que até então julgava «impossíveis» e «intransponíveis», depois do alívio, depois da surpresa e do sobressalto da revolta, depois do descanso e antes de me pôr outra vez a caminho, aprendi que é a vós que devo o preito da minha silenciosa gratidão. Sois, muitas vezes, quase desconhecidos e desconhecidas. Ausentes e enevoados. Eventualmente próximos. Mas não preciso de vos ver o rosto nem necessito de saber o vosso nome. Preciso é de vos amar cada vez mais à medida que me aceito e amo cada vez melhor. É a minha liberdade, essa que se conquista palmo a palmo, passo a passo, que vos devo e assim sendo é como mestres que vos quero reverenciar, reverenciando a minha, a vossa e a nossa história de vida. Prouvera a Deus que tal consiga.
Enviar um comentário