terça-feira, março 14, 2017

Entretanto, amo

Os meus ideais de bem, de bom e de belo estão sujeitos aos parâmetros do meu eu. Estão limitados pelo tempo, pelo modo ou costume e pelo espaço em que me desloco. São circunstanciais. O meu ideal de Amor não tem fronteiras e nele se integram tudo e todos os seres, num tempo para lá do tempo. Nessa radiância esplendorosa dissolve-se aquilo que considero eu. O meu ideal de Amor é, assim, uma infinita, inacessível e nostálgica miragem. Entretanto, amo. Com todas as falhas e todas as intermitências do meu transitório existir.


Cromeleque do Xerez, nascer do sol

Enviar um comentário