sexta-feira, março 29, 2013

A biografia da imperatriz Isabel de Portugal

A grande, e talvez a única, diferença entre um trabalho biográfico científico e uma narrativa ficcional é o seu fundamento histórico. Há uma outra marca que distingue o relato historiográfico de outro. O historiador confronta factos na origem. Lê opiniões e relatos desencontrados. Estuda a história da época em muitas das suas declinações. Económicas, politica, religiosas, de mentalidades. Apoia-se num número apreciável de estudos de outros historiadores. Digere, propõe, teoriza e dá conta das fontes onde bebeu. Daí que uma biografia científica possa ser matriz de muitos outros trabalhos, e só isso justifica o trabalhão enorme que dá. O que não impede que seja de leitura acessível a todos, desde os interessados em investigar mais, aos que pretendem apenas em viajar no tempo e nos modos, e trazer as recordações fiáveis dessa viagem. No meu caso, o oficio da escrita - 30 anos de jornalismo -, ajuda sempre muito, sobretudo na fluidez da narrativa.

Foi nesta dupla disposição, construir um livro científico como um romance que qualquer pessoa conseguisse ler, que pesquisei rigorosamente e exaustivamente para escrever a história da Imperatriz Isabel de Portugal, procurando juntar a uma narrativa fluída, muito visual, e tanto quanto possível emocional, a natureza dos factos apurados como historiadora que também sou. O resultado é sempre uma incógnita e devo dizer que por fim já nem sabia bem o que esperar dos três anos de tamanho trabalho.

Por acaso, ou talvez não, este livro nas palavras insuspeitas do meu editor, foi e continua a ser um sucesso e fez «cross over», ou seja, chegou e chega às mais variadas pessoas. Fico particularmente feliz. A nossa tão esquecida infanta que foi imperatriz e rainha e mulher tão amada no país vizinho, bem merecia ser recordada por todos. Agora já não há desculpas para tanto disparate que se vê escrito por aí, como numa página dita «oficial», e relativamente recente, onde ela é descrita como uma beata constantemente ajoelhada no seu oratório a tomar conta dos «numerosos» filhos e das «numerosas» aias destes, totalmente desligada da política (!!!) vivendo e morrendo em Toledo, de onde nunca teria saído, a fazer fé na descrição que a tal página lhe dedica...

Os factos:

Isabel fez politica, Isabel governou os reinos nas frequentes e por vezes muito prolongadas ausências do marido. Isabel não estava sempre na «corte» em Toledo, dividida entre as idas ao oratório e a fiscalização das numerosas aias dos numerosos filhos (que nem foram assim tantos), porque a «corte» significava, nesses tempos, o local onde se encontrava o soberano, e nestes tempos o soberano viajava incessantemente, sobretudo no país vizinho, já que em Portugal e com D. Manuel I a corte fixou-se em Lisboa, embora o rei continuasse a priviligiar as idas a Sintra, ou a Évora ou Almeirim, onde tinha palácios e onde se sentia particularmente bem. 

Mas como rainha de Castela, Isabel viajou e de que maneira!! Só com Filipe II (I de Portugal), seu filho, se assistiu à fixação da corte castelhana em Madrid. Antes e por vários motivos que se explicam, andava-se de um lado para o outro, por caminhos incebíveis e em condições tremendas, como se descreve. Por outro lado, Isabel teve vários filhos sim, mas que lhe morreram na primeira infância para seu grande desgosto. Quando ela própria morreu, de mau parto ou parto prematura, as fontes não são coincidentes, estavam vivos três, Filipe, Maria e Joana.

Finalmente, Carlos, ao contrário do que ainda se lê em muitos lados, não se encontrava «longe dela e a caçar, juntamente com o primogénito», mas sim ao seu lado durante toda a agonia e até ao último suspiro da belíssima e muito amada mulher. E não foi para o mosteiro de Yuste, com o desgosto. Recolheu-se a um mosteiro, sim, durante quase um mês, incapaz até de acompanhar o corpo da mulher à sua última morada, que por acaso foi a penúltima.

O afastamento da vida pública e consequente abandono do poder por parte do rei e imperador Carlos V, aconteceu muitos anos depois da morte de Isabel de Portugal.

Estas coisas serem verdade ou serem mentiras e efabulações, fazem muito diferença.



Enviar um comentário