sexta-feira, maio 25, 2018

Quem quer escrever romance histórico?

Amanhã, sábado dia 26, vou estar na Feira do Livro com a Isabel Valadão e o João Paulo Costa, para falarmos de romance histórico. E deixarmos pistas e segredos. Começa às 18.30.
Apareçam!

segunda-feira, maio 21, 2018

Ateneo Atlántico: Doida Não e Não!

«A partir dunha historia propia de folletín, comeza outra non menos real e épica: a loita dunha muller que durará anos e que se verá envolta en xuízos e diagnósticos nos que intervirán os mellores psiquiatras do Portugal do momento e que, un por un, confirmarán a enfermidade mental de Maria Adelaide, xustificando así, o mantemento do seu internamento.»








Ateneo Atlántico: Doida Não e Não!: Presentación do Libro Doida não e não! de Manuela Gonzaga O Ateneo Atlántico, xunto co Instituto Camões en Vigo e a Bertrand Editora,...

domingo, maio 20, 2018

'Doida não e não' Em Vigo

E em Vigo, onde chegámos ao fim da tarde, o dia estava luminoso e quente, o mar cintilante feito de prata, e a sala onde decorreu o evento, a encher... Foi no Camões, Centro Cultural Português, e foi maravilhoso. 'Doida nao e não!' está a ser lida por muita gente, e é livro do mês.

quarta-feira, maio 16, 2018

'Doida não e não' no Instituto Camões em Vigo

Rumo à Galiza, com a estória de uma mulher que fez e continua a fazer História.
A obra é livro do mês no curso de Português no Instituto Camões, em Vigo.
O evento tem a participação do Ateneo Atlântico.

quinta-feira, fevereiro 22, 2018

Os meus livros no Mar de Letras


Fica a entrevista que foi para o ar ontem na RTP ÁFRICA, programa Mar de Letras,  conduzida de forma excelente por Mário Carneiro. Doida não e não foi presente, mas o foco foram os meus livros em geral, e muito particularmente o romance Xerazade a Última Noite, bem como o último da saga de André, 'André e o Baile de Máscaras'.

Sinopse: «A escrita esteve sempre presente num percurso que passou pelo jornalismo, pela história e pelos livros. Manuela Gonzaga está de regresso ao "Mar de Letras". Um novo romance, a reedição de uma biografia e um livro de literatura infanto-juvenil são razões suficientes para não perder a conversa com uma escritora que dividiu a adolescência e a juventude entre Moçambique e Angola.»