quinta-feira, março 17, 2016

Amadeo de Souza-Cardoso

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918) – vai ser alvo da grande homenagem que há tanto lhe era devida. Na última edição da Vogue Portugal, escrevi sobre ele. Foi um privilégio revisitar a sua vida e obra. MG

"Português de gema, nortenho a quem Lisboa nunca capturou, homem do mundo, que se procura incessantemente, recusando escolas, que homem, que pintor, que filho da terra, que português foi ele? Como amou, como foi amado? «Cada artista que o é, tem em si qualquer coisa de inconfundível, que só lhe pertence e a ninguém mais» - escreverá em 1910, já em Paris, ao seu tio Francisco, seu primeiro mentor artístico, aquele que mais apoiará as suas opções, homem de grande sensibilidade e cultura, e até na «filiação» política monárquica que lhe transmite ao longo da infância breve e tão protegida. Filho de José Emídio de Sousa Cardoso, produtor vinícola reconhecido, e de Emília Cândida Ferreira Cardoso, Amadeo nasceu na madrugada do dia 14 de novembro de 1887, e passou uma infância feliz na grande casa de família, rodeado dos pais, nove irmãos, tios, primos e criados, rendeiros e tarefeiros contratados para os serviços da quinta." 







Enviar um comentário